São várias as razões pelas quais nos últimos anos um número crescente de estudantes latino-americanos tem decidido estudar uma graduação no Reino Unido. Entre elas:

•      A notável reputação que tem as universidades britânicas a nível global de excelência acadêmica.

•      Quase todas as áreas de graduação tem duração de somente três anos.

•      Há milhares de opções de cursos em centenas de instituições de educação superior.

•      O Reino Unido, dentro ou fora da União Europeia, é um destino multicultural, seguro e com uma riqueza histórico-cultural incrível. E quem não que ter aquele sotaque britânico?

 

Se você está convencido, por esses e outros argumentos, de que o Reino Unido é uma boa opção para estudar, aqui lhe daremos alguns conselhos úteis.

 

Primeira parte! Uma viagem de dez mil quilômetros começa com um primeiro passo

 

1.    Faça bem a tarefa de encontrar a melhor opção de curso

São muitas universidades, cada uma com diferentes pontos fortes e reconhecimentos em diversas áreas de estudo. Analise bem de acordo com seus interesses. Busque também a melhor localização: cidade grande, que pode lhe oferecer mais, pode ser mais cara para se viver; ou uma cidade mais tranquila, até rural, onde a qualidade de vida é geralmente melhor.

 

2.    Faça uma autocritica

Está preparado para fazer uma graduação no exterior? Nossa experiência com muitos estudantes latino-americanos tem nos mostrado que um perfil de um estudante internacional de sucesso possui algumas características em comum. É decidido, curioso, independente, focado e ama conhecer novas culturas, seja esporte, música, história ou tudo de uma vez. Mesmo que estudar fora não seja um objetivo para todos, aqueles que têm o perfil correto vão aproveitar e tirar o melhor proveito dessa experiência.

 

3.    Conheça os requerimentos para ser um estudante internacional

O estudante internacional pode se inscrever em uma universidade britânica se tiver o Bacharelado Internacional, “A-levels” ou o “Foundation Year”. O bacharelado internacional, ou IB, é um exame oferecido por alguns colégios bilíngues e o estudante que tirar uma nota alta, pode entrar diretamente na universidade. O “A-levels” é um sistema de exame britânico e são oferecidos por poucos colégios na América Latina. A maneira mais comum e mais fácil é o “Foundation Year”

 

4.    O que é o “Foundation Year”?

É um ano preparatório para poder entrar no primeiro ano de um curso de graduação. Inclui um módulo de Inglês para propósitos acadêmicos, feito para dar domínio no idioma e estudo, para começar sua graduação.

Inclui matérias diretamente relacionadas com seu curso de Administração, Engenharia, Ciências ou Humanidades. No caso de Administração, o caminho preferido dos latino-americanos, as matérias são Economia, Sociedade & Política e Matemática. E permite estudar cursos tão diversos como Psicologia, Relações Internacionais, Arquitetura, Economia e Engenharia de Som, além de Administração.

Onde se pode estudar o “Foundation Year”?

Pode-se fazer o “Foundation Year” em vários centros no Reino Unido, tanto no norte como no sul. Mas uma opção que seguramente pode parecer mais atrativa é uma opção mais perto. O St Peter’s International College, em Bogotá, é o primeiro e único centro que oferece o programa na América Latina. O programa do St Peter’s, criado pelo consórcio NCUK, com mais de 25 anos de experiência, oferece acesso garantido a algumas das melhores universidades do Reino Unido, sempre e quando o estudante complete o ano com sucesso. O “Foundation Year” de St Peter’s custa menos da metade do programa feito no Reino Unido e, como centro creditado pela NCUK, oferece a mesma qualidade e garantia de uma vaga na universidade britânica.

5.    Como se inscrever numa universidade britânica?

A inscrição se faz online, através do sistema UCAS, que é tanto para estudantes britânicos quanto internacionais. Além de seus dados pessoais, você tem que fornecer os seguintes dados:

a.    Histórico de notas dos últimos anos do colégio, traduzido para o inglês

b.    Resultado do exame de Inglês

c.    Sua “declaração pessoal” em inglês

•      Quem é você e de onde você é?

•      Por que você que estudar no Reino Unido?

•      Que experiência acadêmica você tem?

•      Como você se diferencia dos demais e o que pode levar para suas aulas na universidade?

•      Por que podem te selecionar?

•      Quais são seus planos para o futuro?

d.    Uma carta de recomendação em inglês:

•      Habilidades

•      Como a pessoa te conhece

•      Por que te recomenda para o curso de graduação

 

Se você fizer o “Foundation Year” na St Peter’s, um assessor pessoal te ajudará com todo o processo de aplicação para universidade.

 

6.    Como fazer um visto de estudante britânico?

Se você quer viajar para o Reino Unido como estudante, há 3 opções de visto:

·         Tier 4

·         Student Visitor (6 meses)

·         Extended Student Visitor (11 meses)

 Se quiser fazer um curso de graduação de três anos, você precisa ter um visto “Tier 4”, no qual os requisitos são:

·         Certificate of Acceptance for Studies (CAS / Certificado de Aceitação de Estudos), de uma instituição educativa que se encontra listada no registro do UK Border Agency.

·         Mostrar condições financeiras suficientes para se manter no Reino Unido durantes seus estudos. Que quantidade deve declarar? Fundos para pagar a matrícula e os custos de acomodação e manutenção durante o primeiro ano.

·         Nível de inglês. Através do IELTS ou o “Foundation Year”, que é a garantia do seu nível de inglês.

 

7.    Prepare um orçamento

Realizar uma graduação no Reino Unido não é barato, mas não é tão caro. Por exemplo, cursar três anos de uma graduação numa universidade britânica pode ser mais econômico que fazer uma graduação de cinco anos em uma universidade local. Um estudo recente compara um estudante que cursa três anos na Universidade de Bradford a um custo total de U$ 40.000 com outra no Brasil, que dura cinco anos, com um custo total de U$ 65.000.

 

Como pode ser mais econômico estudar no Reino Unido? Fundamentalmente por três motivos:

 

a.    Bolsas parciais: Há bolsas parciais que são concedidas de acordo com o bom desempenho do aluno.

b.    Opção de trabalhar até 20 horas semanais: O visto de estudante permite trabalhar até 20 horas por semana durante o período acadêmico e por tempo completo, durante as férias. Isso pode ter um impacto muito positivo no orçamento, já que o estudante pode ganhar U$ 10 a hora trabalhando como garçom por exemplo.

c.    Graduação mais rápida: Como o estudante no Reino Unido tem seu diploma universitário em somente três anos, pode entrar no mercado de trabalho mais rápido e começar a ter sua renda.

 

Segunda parte: Viva a experiência!

8.    Se prepare para algumas mudanças culturais

Um típico estudante latino-americano, que pode estudar no exterior, vem de uma família com boas condições financeiras, tem uma vida cômoda e para muitos são bem mimados. Viver como estudante independente no exterior apresenta muitos desafios que, sem a menor preparação, são difíceis de superar.

Se você responde “não” para a maioria das perguntas a seguir, pode ser que tenha algumas dificuldades no início!

Alguma vez já se mudou de cidade?

Você já mudou de colégio?

Você já lavou sua própria roupa?

Você sabe cozinhar? Quantos pratos sabe fazer?

Você já limpou alguma vez seu banheiro?

Você usa transporte público com frequência?

Você já esteve de férias em algum lugar sem seus pais?

Você tem alguma renda mensal, semanal ou diária?

No programa “Foundation Year” da St Peter’s, preparamos os estudantes para esses e outros desafios culturais, para que estejam 100% preparados para a vida de um estudante autônomo e independente no Reino Unido.


9.    Fale com estudantes que viveram e estão vivendo a mesma experiência

Não há nada melhor que compartilhar experiências com pessoas da mesma idade que a sua. Há centenas de latino-americanos que estão estudando ou que já estudaram no Reino Unido. Eles estão felizes de compartilhar sobre suas ótimas experiências e outras razoáveis que se deve evitar, se possível. Aqui citamos alguns exemplos: Ivan Pulecio, que foi para Londres estudar Engenharia Eletrônica em Queen Mary University; e María José Ibarto, que está estudando Tecnologia Musical em Leeds Beckett University.

 

Ivan Pulecio:

•      Nacionalidade: Colombiana

•      Cidade: Bogotá

•      Colégio: Colegio de la Salle

•      Foundation Year: 2008, Queen Mary, Londres

•      Curso: Engenharia Eletrônica

•      Universidade: Queen Mary, Londres

 

•      Acomodação: Eu fiquei no Campus durante o “Foundation year”. Paguei aproximadamente £95, com tudo incluso. Depois disso, me mudei para Bow Church e fiquei em alguns lugares. Pagava cerca de £105-120 pelo aluguel, com contas inclusas.

•      Em que você trabalhou enquanto estudava?  Eu trabalhei num coffee shop como barista por três anos durante meu curso e pelo tempo permitido por semana. Durante as férias, trabalhei em hotéis e lojas de varejo, como garçom num pub e vendedor numa área em Covent Garden, entre outros trabalhos.

•      O que mais te surpreendeu no Reino Unido?  Como Londres é multicultural! Fiz amizade com pessoas de diferentes países e essas amizades sempre me permitiam viajar para outros lugares por um preço mais barato, já que eu podia ficar na casa desses amigos. Além disso, há uma imensa facilidade em ir a uma grande variedade de shows, festivais, exposições de arte, museus, carnavais, etc. E deixe-me dizer, esses são dez vezes melhor do que os vistos no YouTube...

•      O que mais te surpreendeu na sua universidade?

(Diferentemente das universidades colombianas) Na parte acadêmica, eu acredito que o método de ensino é mais prático e conciso. Os professores não vão encher seu currículo com assuntos que não são úteis na área e que você provavelmente não utilizará no mercado de trabalho.

•      Você recomendaria fazer uma graduação no Reino Unido? Por quê?

Com certeza! É uma experiência fantástica que abre sua mente para novos caminhos e pensamentos e para um novo mundo. Você tem aula com professores que são líderes acadêmicos mundiais nas suas áreas e também com aqueles que têm anos de experiência no mercado de trabalho, a nível mundial, e que pode te dar uma ideia clara de como é o mercado no qual você fará parte.  Além do lado acadêmico, tem um benefício intangível que é ser reconhecido como mais valioso para a empresa no seu país. As empresas ficam interessadas em te conhecer te convidam mais para entrevistas. Além disso, há também uma grande vantagem em ser realmente fluente em Inglês e ainda com o sotaque britânico, o que as pessoas aqui parecem gostar muito.

 

María José Ibarbo:

•      Nacionalidade: Colombiana

•      Cidade: Chía

•      Colégio: Montemorel

•      Foundation Year: St Peter’s International College, Bogotá, 2014-15

•      Curso: Tecnologia musical

•      Universidade: Leeds Beckett

•      Bolsa: Bolsa NCUK, de 5,000 libras anuais. María José é Embajadora Global da NCUK.

•      "St. Peter’s foi a ferramenta necessária para entender quais eram meus pontos fracos e fortes como estudante. Graças à equipe e sua ajuda, hoje posso dizer que me sinto preparada para uma nova vida no Reino Unido." 

 

10. Ser um embaixador de seu país

Estudar no Reino Unido vai ser uma experiência que irá transformar sua vida, oferecendo novas amizades e oportunidades, abrindo portas e proporcionando autoconfiança. Você tem que aproveitar o máximo dessa oportunidade, dando o melhor de si e mostrando suas melhores qualidades. Assim, quando for embaixador do seu país, mostre sempre seu melhor sorriso. Quem sabe um dia você pode ser O embaixador do seu país.

 

Peter Dale é o diretor da St. Peter’s International College em Bogotá, que oferece o único programa “Foundation Year” creditado na América Latina. O programa é patrocinado pela NCUK, um grupo de universidades britânicas, com 30 centros creditados em todo o mundo. Para maiores informações:  [email protected]